11865022_1011518832211884_21778651557396

Prémios | Awards

2016 - 1º Prémio, "Prémio de Pintura Elena Muriel", Oliveira de Azeméis.

 

2011 - Menção Honrosa, "Aveiro Jovem Criador".

 

2010 - Menção Honrosa, II Concurso de Pintura da Área Militar de S. Jacinto, Aveiro.

2008 - 2º Prémio, 5ª Bienal de Pintura de Arte Jovem de Penafiel.

2007 - Menção Honrosa, 5ª Bienal Internacional de Arte Jovem de Vila Verde.

2004 - 3º Prémio de Pintura "Aveiro Jovem Criador".

Lara Roseiro (Portugal - Coimbra, 1980)

Mestrado em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2011-2013).
Licenciatura em Pintura pela Escola Universitária das Artes de Coimbra - ARCA/EUAC (1998-2003).
 

Master's Degree in Painting from the Faculty of Fine Arts of the University of Lisbon (2011-2013).
Degree in Painting from the University School of Arts of Coimbra - ARCA / EUAC (1998-2003).

O processo criativo remete para a casa como espaço íntimo do quotidiano feminino através de cenários interiores, não acessíveis mas reconhecíveis ou imagináveis, evidenciando aberturas que convidam à participação do observador tornando-o um voyeur. As janelas que se abrem, as paredes que se quebram e as portas que se escancaram mostram a interioridade da esfera doméstica: uma quase solidão, um diálogo interior, um estado de alma.

 

Os ambientes arquitetónicos aparentemente vazios evidenciam a delicadeza das figuras femininas, exibidas em situações passivas, enfatizando a serenidade da casa. Deste modo, é entre paredes que se materializam as suas narrativas em que o processo artístico evoca a pintura de género apresentando lugares comuns que permitem a entrada num universo familiar através da ambivalência: o interior e o exterior.

The creative process refers to the home as an intimate space of the female daily life through interior scenarios, not accessible but recognizable or imaginable, showing openings that invite the observer to participate, making him a voyeur. The windows that open, the walls that break and the doors that open wide show the interiority of the domestic sphere: an almost solitude, an inner dialogue, a state of mind.

 

The seemingly empty architectural environments show the delicacy of the female figures, displayed in passive situations, emphasizing the serenity of the house. In this way, it is between walls that their narratives materialize, in which the artistic process evokes gender painting, presenting common places that allow entry into a familiar universe through ambivalence: the interior and the exterior.